Eu, caçador de mim.

sábado, 24 de janeiro de 2015


Certo dia quando ouvia Milton Nascimento tentei entender o significado dessa frase. Cheguei quase perto da compreensão quando um dia me senti no lugar errado, na hora errada, perto de uma experiência incomum, de como viver neste mundo, de querer morar em outra matéria ou dimensão. Coisa de doido não? Viver o amor e o seu não pertencimento, de não querer morar no meu interior e ir morar no interior de outra matéria, logo eu que já me considerava caçador de mim mesmo, querer viver de forma desconhecida. Parecia loucura mesmo, talvez houvesse um fundo de verdade, mas eu gostava e gosto demais do meu habitat, que o transformo num recanto de devaneios e loucuras poéticas; gosto da disposição dos móveis, da pequena estante abarrotada de livros, do meu computador que me leva a viajar pelo mundo; vou aos mais longínquos rincões e volto como num passe de mágica. Ah, como esquecer o cheiro que vem da cozinha que fica bem ao lado, que traz com o auxílio do vento, o tempero mágico de Eva. 

        É meu santuário... Recanto que realmente me faz viajar pelo mundo da imaginação e chegar até você; recanto que me faz adivinhar qual de vós intervém por mim, quem irá me ouvir, ler meus textos, às vezes sem sentido; quem irá me proteger de mim e fortalecer o amor e a eterna falta que faz quando empunharmos a arma do destino e partimos para uma grande caçada e acabamos caçando a nós mesmos. Às vezes sentimos não ter ninguém do outro lado ou alguém por tempo determinado, já que somos finitos, que mudamos de idéia sem pestanejar, que somos imprevisíveis, imprevistos, inconsequentes, e por onde passamos tem-se curvas e nem notamos, porque a reta não nos seduz. Gostamos do perigo e fazer curvas mirabolantes traz uma sensação intensa, incompreensível a nós seres humanos. O tempo diz que tenho que seguir com vocês nessa grande caçada e por mais que a racionalidade me finque no chão; quero que seja sempre assim e que possamos ir além do finito dos nossos corpos, seja nesta dimensão ou não. Exagero, à parte, mas não enfeito, não faço zoom do meu amor, da minha amizade sincera e nem olho vocês de longe, porque quero todos por perto. Pode parecer devastador, mas nada me destrói e nem me apequeno amar vocês. Materialmente quero morar no coração de todos sem ser uma mera peça; quero me vestir de vocês sem me despir do que sou...

Quando estou escrevendo, paro, penso reflito e às vezes fecho os olhos, puxo a respiração, encho o peito de ar e procuro sentir a presença de quem já não está mais por perto. Entes queridos, seres sublimes que já se foram para outra dimensão. É um método que uso e me faz bem porque sei que recebo a “energia” deles e as uso sempre quando o amor se transforma em saudade.

Os grandes amores existem e sempre existirão. As grandes paixões existem e sempre existirão. Eles simplesmente existem. E quem disser o contrário, mente. Eu desejo que todos os seres humanos possam sentir o que eu um dia já senti. Tempos idos foram minutos de entorpecimento juvenil, de uma inundação de sentimentos que enlouquecem, de uma loucura toda que envolve a gente, trazendo certo medo, uma confusão misteriosa que a gente viveu quando adolescente. Uma paixão avassaladora que me fazia sentir vivo. Vivo e amando. Se amado não tinha certeza. Mas, agora, dedilhando o teclado do computador vou amontoando letras no monitor e querendo ser caçador de mim mesmo vou me embrenhando pela selva que me envolve e que cresceu tanto que não mais consigo regar, apenas deixa-me levar... As minhas mãos calejadas pelas labutas cotidianas e pele corroída pelas intempéries do tempo, não encontram mais as dela.

Vazio, não sinto mais, pois a borracha do tempo se encarregou de apagar. Nem existe a sensação de derrota e hoje tenho mais para quem escrever as minhas defeituosas crônicas, a quem dedicar meus pensamentos, a quem vai me acalmar quando a tristeza aparecer sem avisar. Eu não me sinto sozinho. Por vezes nem me sinto, fico anestesiado, como estivesse viajando em busca do impossível. O escritor vive em busca de si mesmo, mas é pertinente às suas ideias e maluquices. Ilustra os textos com coisas reais e surreais, cria sabores, faz até exalar aromas que extrai do improvável e transmiti imagens ao associar as palavras e nesse afã, procura ser original, contorna algumas regras impostas, como se elas fossem corredores imaginários, mas, notadamente, sem as desrespeitar, mas nunca deixando de ir mais longe, mesmo sem usar as asas da imaginação, alcançar o improvável. E quando as usas tem o poder de descrever o mundo de uma forma sutil e consegue transformar o ordinário em extraordinário, e nesse ínterim, sem necessidade de se afirmar como intelectual gera empatia e faz com que todos vejam mundo de dentro para fora e depois de fora para dentro, transformando-se todos em caçadores de si mesmos. Quando se escreve uma frase bonita que toca a alma e o coração da gente, como fez Milton Nascimento em sua canção “Eu, caçador de mim” que dizia: “Por tanto amor, por tanta emoção, a vida me fez assim, doce ou atroz, manso ou feroz...” e ao ouvir, não há olhos que não se vertem em lágrimas e nem coração que deixe de bater descompassado. Aí pergunto: Será que estamos vivos? Ainda que maldissessem a sina e mazelas, jamais o escritor afogará suas crônicas na cachaça libertadora, assim como não haverá outro perfume no seu corpo a não ser o cheiro do suor produzido pelo espaço quente que o envolve. Viver é amar, um dia me explicaram direitinho. Tempos idos, era apenas um sonhador inocente e acreditava. Só inocentes e tolos crédulos aprendem isso, eu tive o azar de ser um deles. Hoje, nem ouso reclamar, apenas agradecer a Deus pelo que sou.


5 comentários:

  1. As tuas crônicas vão de encontro com a realidade de muitos Poeta amigo...Teus conhecimentos poéticos e frase simples de entender mexe com os sentimentos mais profundo de teus leitores, você pode até não saber mais tem muitos seguidores que permanecem no anonimato por ainda não saber lidar com essa máquina incrível que chamamos de computador. PARABÉNS E MUITO SUCESSO !!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. Obrigado,amiga!
      Suas palavras são um incentivo para mim

      Excluir
  2. O Caçador de Mim
    Bom dia meu nobre amigo poeta, escritor, Vanderlan Domingos Sousa! Li o teu texto cronica "O Caçador De Mim"... amigo és d'mais, escrevinhas como se estivesses brincando com as palavras é divertido e gostoso ler o que escreves. Infelizmente, ainda não tenho condição de fazer um comentário a altura do renomado escritor, não sei nada sobre literatura, mas quem sabe, mais tarde, lendo teus textos literários, todos os dias, seja capaz de tecer um comentário mais correto, conivente com o que escreves, parabéns e sucesso, abraço!!!

    ResponderExcluir

 
Vanderlan Domingos © 2012 | Designed by Bubble Shooter, in collaboration with Reseller Hosting , Forum Jual Beli and Business Solutions