Passagem para além de mais além...

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

O Dia de Finados é um adjetivo que qualifica algo, alguém que finou ou que chegou ao fim, que está morto, mas também foi criado para que, neste dia, honremos e lembremos-nos das pessoas que já faleceram, e para tanto, inicio este texto citando parte do poema escrito pelo padre Zuca intitulado “O nascer para o além...”: “Há quem morra todos os dias. Morre no orgulho, na ignorância, na fraqueza. Morre um dia, mas nasce no outro. Morre a semente, mas nasce a flor. Morre o homem para o mundo, mas nasce para Deus”. É verdade! A cada dia aprendo a viver, aprendo que a morte é algo inevitável, tão inevitável que às vezes, se for preciso, peço a Deus para, ao invés de morrer, nascer de novo, como nascem às flores, os dias e noites. Ninguém acostuma com a morte mesmo sabendo que está na terra somente de passagem. Não tenho medo, mas não quero me acostumar e nem procurar entender esse mistério que é a morte a não ser quando Deus entender ser o meu momento e me enviar a passagem para que eu possa “viajar” para além de mais além.

O Apóstolo Paulo certo dia perguntou a si mesmo: Onde está, ó morte, o teu aguilhão?  Com esta frase bíblica ele quis apenas demonstrar que a fé raciocinada e praticada supera os temores e angústias da grande transição, dando-nos a compreensão de que o fenômeno chamado morte nada mais é do que o passaporte para a verdadeira vida. É o conhecimento de tudo o que nos espera, e a disposição de lutarmos para que nos espere o melhor. De outra parte, um dos maiores motivos de sofrimento no além túmulo é o apego aos bens terrenos e muitas pessoas não aceitam as normas estabelecidas pela aduana do túmulo, que não nos permite levar os bens materiais no momento em que passamos para o outro lado. Isso demonstra que tais pessoas ainda não entenderam que os bens materiais nos são emprestadas por Deus como meio de progresso, e que os teremos que devolver, mais cedo ou mais tarde.

Já disse certa vez que é importante refletirmos sobre tudo isso, não nos deixando possuir pelos bens dos quais somos apenas usufrutuários. Um dos motivos de sofrimento dos que ficam, é o fato de não terem se dedicado o quanto deviam àqueles dos quais se despedem. Por isso, convém que, enquanto estamos a caminho, façamos de modo cadenciado como qualquer dançarino o faz no seu palco, o melhor que possamos fazer aos nossos entes queridos, para que o remorso não nos dilacere a alma depois. Sabemos que nos deixará saudades, mas sentir saudade do que nos faz bem ameniza o coração; sentir saudade de um ente querido que um dia fez-nos sentir vivo, nos acalenta nos provoca sorrisos e até choros, mas é bom. Sentir saudades das conversas, de sua voz ao longe nos chamando para saborear o café da manhã; sentir saudade dos pequenos gestos, das grandes ações é inesquecível. Sentir saudade das histórias contadas à beira do fogão de lenha enquanto os biscoitos eram fritos na panela de ferro é gratificante, assim como, fazia bem o cheiro do mato verde e das cores de flores do campo. Saudade que me é importante e que todo dia 15 de novembro, data do falecimento de minha mãe Carolina, lembramo-nos com saudade. Falta que dói, mas sei que nunca mais a teremos de novo.

Quase impossível passar o dia de finados sem pensar nela, noutros entes queridos e na própria morte. Estamos constantemente envolvidos por mortes naturais e prematuras, causadas pelas doenças, pela violência, pelo trânsito, por falta de recursos necessários à vida, por acidentes diversos... Mas hão de se convir que a celebração de finados nos ofereça profunda reflexão sobre a vida presente e futura, do hoje e do amanhã. Por mais que a humanidade queira saber e por mais que a medicina e a ciência avancem, a vida futura sempre será uma incógnita, uma incerteza.  Mesmo diante dessa dúvida, a vida presente tem de ser acolhida e vivida intensamente. 

O único tempo que temos certeza nos pertencer é o presente... O passado, que pode nos deixar lições, já foi e não nos pertence mais, o futuro está nas mãos de DEUS. Uma certeza inquestionável: um dia, mais cedo ou mais tarde, queiramos ou não, teremos que passar pela transição... Ela não exclui religião, nem etnia, nem gênero, nem riqueza e tem hora incerta, é implacável. Desde o nascimento, estamos caminhando para ela, que nos aguarda com todo o seu mistério, mas nem sempre nos conformamos com isso... O escritor israelense Amós OZ disse uma pequena frase sobre morte que é hoje muito pertinente:  "Nós vivemos até o dia em que a última pessoa que se lembra de nós"... Ou seja, segundo ele, nós não morremos no dia do nosso último suspiro, mas quando morre a última pessoa que carrega consigo nossa lembrança...




1 comentários:

  1. Muito bom. Ótimo, inspirador. Pura reflexão. Parabéns pelo texto...

    ResponderExcluir

 
Vanderlan Domingos © 2012 | Designed by Bubble Shooter, in collaboration with Reseller Hosting , Forum Jual Beli and Business Solutions